sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Regressão Telepática-religiosa



Candelária: origem da lenda, início da caminhada


"Feche os olhos. Respire profundamente. Solte um peido. Isso, silencioso, mortal. Não, não abra os olhos. Permaneça concentrado. Agora imagine uma multidão caminhando pela calçada de Copacabana. Mais gente. Mais ainda, como se fosse a espera para assistir os fogos da virada do ano, só que de dia. Isso, tipo aquele show dos Rolling Stones, pode ser. Todos caminhando lentamente, cantando ladaínhas. E de repente se ouve:

- Viva nossa senhora de Nazaré!
- Vivaaaaaaa!!!

"Imagine o arcebispo do Rio de Janeiro, Dom Orani, pegar o microfone e, do trio-elétrico que vai à frente da berlinda, começar a falar:

- Vamos, irmãos, sigam nessa demonstração de fé que permanece na cidade há mais de 300 anos...




Com a multidão e o calor, romeiros aproveitam para tomar um banho


"Dom Orani continua incentivando a caminhada, que começou na madrugada daquele domingo. Os fiéis que participam da romaria já demonstram estafa, após quase 10 quilômetros de chão. Segundo o Dieese, são 8 milhões de romeiros; a Polícia Militar calcula uns 5 milhões; para os evangélicos, são só meia dúzia de gatos pingados.

"O arcebispo continua falando no microfone, como desde o início da procissão, na Igreja da Candelária, no Centro da cidade. O religioso conta a lenda da capela, construída por um casal de espanhóis que encontrou a imagem da Santa várias vezes, depois que ela desaparecia misteriosamente da casa dele, na cidade. Pela imagem, o casal teria conseguido escapar de um naufrágio da embarcação, com o nome de Candelária.

"Ainda de olhos fechados, concentre-se no esforço das pessoas, no olhar das beatas ao céu, nos pés descalços dos jovens que seguram a corda, nas moças carregando objetos de cera. Não, ninguém leva barco de miriti na cabeça ou caranguejo no corpo. Mas tem um grupo de surfistas com pedaços de prancha, isso tem.

"Já estamos quase na chegada, em um palco montado em frente ao Forte de Copacabana. Durante o trajeto, as dezenas de equipes de reportagem - muitas internacionais - acompanham pela internet cada metro percorrido pela berlinda, por meio do GPS acoplado na coroa da Santa.




Técnico da festividade encaixa o GPS na coroa


"Sim, já pode parar de soltar pum. Era só unzinho pra relaxar. Na chegada da berlinda, o rei Roberto Carlos canta 'Nossa Senhora me dê a mão, cuida do meu coração, da minha vida, do meu destino...', enquanto a imagem passa na mão do prefeito, governador, presidente (quase deixa ela cair!), de um ator que bombou na última novela, de um ex-BBB, um cantor que a Globo tem empurrado goela abaixo...

"No palco, permanecem as celebridades nacionais para uma "missa" ao ar livre, apresentada pelo Faustão. Enquanto o padre Fábio de Melo canta a primeira música, a Santa, o arcebispo e o presidente saem, de helicóptero, para a Catedral Metropolitana. Lá, já estão esperando diversas personalidades internacionais VIP Plus. Angelina Jolie furou em cima da hora, porque estava adotando uma criança na Tasmânia. Mas compareceram Dalai Lama, Nicolas Sarkozy, Billy Graham e até a Madona, apesar da chiadeira dos mais xiitas, por conta de um antigo clip polêmico. Talvez tenha sido perdoada pela sua atual proximidade com Jesus. O Luz. Rá. Feche os olhos, não desconcentre. Foi só para relaxar.

"No Brasil inteiro, quem liga a TV na Globo se depara com o mar de gente, em uma transmissão apresentada por Fátima Bernardes, com comentários do padre Marcelo Rossi. Antes de cada intervalo, uma poesia incompreensível do Pedro Bial. É o dia inteiro nisso. Que nem no Criança Esperança.

"O Círio de Nossa Senhora de Nazaré do Rio de Janeiro acirrara ainda mais a rivalidade com São Paulo, Estado de origem da lenda sobre a Nossa Senhora Aparecida, padroeira do Brasil, fato não facilmente engolido pela Globo. No dia da santa paulista, logo depois da grande procissão, 12 de outubro, só dá matéria de Dia das Crianças na TV carioca..."



Anjo carioca com medo da "santa negra" de Aparecida

- Permaneça de olhos fechados, meu filho. Ainda não terminei...
- É que eu já tenho que ir
- Você vai para a trasladação?
- Não. Festa das Chiquitas.
- Hum...
- Mas a sessão de hoje foi bacana. Só faltou uma coisa: cadê o tal do almoço do Círio com a broca típica do Rio?
- Lá não tem comida típica.
- Ah, tá. Ó, outra coisa. Se o nosso Círio fosse pra lá, seria justo eles darem aquele carnavalzão pra cá, num é?
- Seria.
- Depois a gente conversa sobre o assunto. Até porque, na próxima, visualizar como teria sido a Revolução Francesa em São Tomé e Príncipe.
- Aí já não é mais francesa...
- A gente dá um jeito.
- E quando vamos começar as sessões de regressão para vidas passadas, para tratar seus traumas?
- Afff...deixa só eu imaginar como seria se o Albert Einstein morrido antes de...

6 comentários:

Dani Francisco disse...

Tem Cirio no Rio de Janeiro agora? Serio que colocaram um GSP na cabeca da santa? Me informa dos fatos, me senti extremamente deslocada nesse teu texto... que, como sempre, foi extremamente bom de ler. Especialmente a parte do pum, acordei a vizinhanca. :P

Rindo, nao soltando um pum, ne!

Filiblog disse...

É, os verdadeiros poetas sempre são incompreendidos :P

Acho é q ninguem entendeu, por isso ninguém comentou.

Não tem cirio no rio. Isso é só como eu imagino caso houvesse. Imaginação ambientada numa sessão de regressão avessa...

Peraí, ...acho que nem eu entendi agora....

Organização do Concurso disse...

Olá,
Você sabia que a Comunidade de Blogueiros Paraenses está com um portal ?? não ?!? Visita lá o endereço é:

www.blogueirosparaenses.com

Tem mais ta rolando o CONCURSO DE MELHOR BLOG PARAENSE DE 2009, Aproveita!! Visita o portal e já se inscreve.

Acompanhe as novidades da no Twitter @blogsparaenses.

E qualquer duvida o e-mail é :
contato@blogueirosparaenses.com

Organização do Concurso

danielle_fco disse...

Bom, eu entendi entao! :)

Anônimo disse...

Tem círio no rio sim...

http://podevideo.blogspot.com/2009/09/cirio-no-rio-de-janeiro.html

Cristina Faraon disse...

Com ou sem Círio, é tudo um "Show da Fé"...

Entendam como quiserem.