quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Futebol: o pior esporte do mundo.





Não existe pior. Chamar futebol de esporte é uma concessão conceitual, já que os atletas se cansam durante a partida. Na verdade, trata-se de uma atividade mista, uma espécie de jogo-de-azar/esporte. Com o defeito de, quase sempre, ser chatíssimo de se assistir.

Em termos de diversão, comparo o futebol a uma criança recém-nascida que hiberna 16 horas por dia. Ver o moleque dormindo logo enjoa; a família quer que ele sorria, chore, peide, qualquer coisa que saia da mesmice. E só tem o privilégio de ver as melhores partes aquela pessoa que passa enfadonhos plantões com a cria: sua mãe.

No futebol é a mesma bosta coisa. A força de Murphy faz com que a gente se programe pra assistir só as partidas que calejam o globo ocular, enquanto que, quando acontecem coisas assim, ficamos sabendo por amigos (todos menos a gente) e temos que nos contentar com o resumo dos gols na voz marcante de Léo Batista. A não ser os fanáticos, que fazem plantão em frente à TV, esperando o raio cair no mesmo lugar de novo. A esses, o pútreo odor do meu flato, já que fanático de qualquer raça é chato pra caramba.

Cara, é sério: poucos esportes têm a possibilidade de não acontecer nada durante o embate. O MMA tem o mesmo risco, mas a emoção por minuto é bem mais densa. Até o grande concorrente de pior esporte do mundo, a Fórmula 1, obrigatoriamente terá um vencedor no fim. Mas esqueça F1; é apenas uma competição tecnológica, em que o piloto só sua pelo medo de morrer.

Inteligentes foram os norte-americanos. Transformaram o soccer em football incluindo o elemento da porrada. A mesma coisa rola no hockey: golzinho pra cá, golzinho pra lá e, de vez em quando, uma pausa para afagos.

Esportes tendem a ser mais emocionantes quando têm pontuação o tempo todo. No basquete, tênis, vôlei, é tudo lá é cá. No futebol, a gente tem que esperar lateral, tiro de meta, falta, marcação até a bola chegar na entrada da área e o Zé Augusto chutar pra arquibancada.


A emocionante partida de futebol, segundo Skank


E por falar em arquibancada, assistir jogos no estádio pode ser interessante. Desde que se vá com radinho, grupo de amigos, cerveja, em um jogo de série A - ou com a certeza de vitória do nosso time.


Outro grande problema são as injustiças. Futebol depende quase tanto da sorte quanto pinball. A imponderabilidade das zebras irritantes são bem-vindas. Dizem que é o esporte mais praticado no mundo por ser imprevisível. Assim, Pedra-papel-e-tesoura deveria estar pelo menos nas Olimpíadas.

A essa altura você deve estar pensando "ah, então o Filipe odeia futebol". Não. Eu também gosto de coisas ruins. E não tenho culpa, sou uma mera vítima do sistema. Fui encucado de maneira osmótica a ser futebolisticamente patriótico e perdi a luta contra isso (mentira nem lutei). Um dos motivos é que, apesar de tedioso para se assistir, jogar futebol injeta litros de serotonina no cérebro, por ser uma atividade física estafante. E a cada gol, rola um turbo extra de neurotransmissores do prazer.

Portanto, amiguinhos, esqueçam essa porcaria de esporte que é o futebol. E acima de tudo, torçam para o Paysandu.






Enquanto isso, confiram comigo:



AS MAIORES ZEBRAS DA HISTÓRIA:







1 - Brasil 1 x 2 Uruguai (final da Copa de 1950): Não importa se o Uruguai tinha mais tradição no esporte, o Brasil já estava mais que maduro para ser campeão e jogava em um Maracanã com 200 mil pessoas.


2 - EUA 1 x 0 Inglaterra (Copa de 1950): A Inglaterra era uma potência e o futebol nos EUA era tipo o basebol aqui.


3 - Alemanha 3 x 2 Hungria (final da Copa de 1954): Não importa se a Alemanha jogava em casa, a Hungria de Puskas (um quase Pelé) tinha esquartejado todo mundo desde as Olimpíadas de 1952. Na copa, abriu 2x0 nos primeiros 15 minutos contra todos os adversários, incluindo aí o Brasil (nos ganhou de 4x2) e a própria Alemanha.


4 - Coréia do Norte 1 x 0 Itália (Copa de 1966): Como você pode perceber, um a zero é o placar mágico das zebras, né não?


5 - Portugal 0 x 1 Grécia (final da Eurocopa de 2004): Grécia sempre foi um time abaixo do medíocre. Nessa Eurocopa, ganhou quase todo mundo só de 1x0, com uns chutes em que a bola batia no teto e entravam no gol. Portugal jogava muito bem, em casa, com Felipão no banco, Cristiano Ronaldo começando, mas deu zebra.

Um comentário:

Erich Lie disse...

Grande texto! Difícil ser mais eloquente. Já me livrei dessa cachaça barata...